UE quer que empresas de tecnologia paguem pelos custos da rede

A União Europeia iniciará um período de consulta no próximo ano sobre a possibilidade de os gigantes da tecnologia contribuírem para os custos das redes europeias de telecomunicações e internet. Esse período pode durar até seis meses. Seguir-se-á um projeto de lei da Comissão Europeia.

O período de consulta sobre o compartilhamento de custos de rede com gigantes da tecnologia começará no primeiro trimestre do próximo ano, informou o comissário europeu Thierry Breton à agência de notícias Reuters. A consulta sobre a infraestrutura de rede fará parte de uma discussão mais ampla, que incluirá o metaverso. Durante os períodos de consulta, a UE recolhe feedback das partes interessadas, dos Estados-Membros e do público, incluindo sobre a dimensão e as prioridades das propostas legislativas. Este período de consulta de infraestrutura de rede deve durar de cinco a seis meses, disse Breton.

Isso não significa que a lei será aprovada ou que uma proposta se seguirá em breve. Espera-se uma proposta legislativa concreta da Comissão Europeia no decurso de 2023, no mínimo. Essa proposta deve então ser discutida pelo Parlamento Europeu e pelos Estados-Membros antes de ser adotada.

A proposta de fazer com que os gigantes da tecnologia paguem uma 'quota justa' no financiamento da infraestrutura europeia de telecomunicações e internet já existe há algum tempo. Grupos de lobby de empresas de telecomunicações europeias afirmaram no início deste ano que metade de todo o tráfego de internet europeu pode ser atribuído a seis empresas: Google, Facebook, Netflix, Apple, Amazon e Microsoft. Essas empresas afirmam que a proposta ameaça a 'neutralidade da rede', enquanto as organizações de telecomunicações afirmam que os gigantes da tecnologia estão 'pegando carona' em sua infraestrutura, escreve a Reuters.

No início desta semana, eurodeputados "importantes" enviaram uma carta aos comissários europeus Thierry Breton e Margrethe Vestager, escreve a Bloomberg. Nele, nove parlamentares manifestam seu apoio à proposta de que as empresas que mais geram tráfego de rede ajudem a pagar a infraestrutura. Eles afirmam que a lei deve obedecer às regras de neutralidade da rede, que garantem que os provedores de internet não possam dar prioridade ao tráfego de rede para serviços específicos. 

Próxima postagem Postagem anterior
SEM COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.

Adicionar comentário
comment url