Perda de olfato e paladar em pessoas com COVID-19?

 Pesquisadores do mundo todo compartilham resultados surpreendentes de ensaios clínicos.

A perda de olfato e paladar – um sintoma marcante do COVID-19 – não estava nas mentes de um grupo de pesquisadores da Escola de Medicina de Yale quando eles iniciaram um estudo na primavera de 2020.

Perda de olfato e paladar

Os cientistas, liderados por Joseph Vinetz, MD, especialista em doenças infecciosas, estavam interessados em descobrir se um medicamento oral usado para tratar a pancreatite poderia reduzir a carga viral (a quantidade de vírus em seu corpo) do SARS-CoV-2 e melhorar sintomas em pessoas recém-diagnosticadas com COVID-19.

O estudo, que está disponível em um site de pré-impressão e ainda não foi publicado em um periódico revisado por pares, foi realizado de junho de 2020 a abril de 2021. Ele mostrou que o medicamento, chamado mesilato de camostat, fez pouco para diminuir a carga viral. Mas, para surpresa dos pesquisadores, trouxe um tipo diferente de benefício. “Os pacientes que receberam o medicamento não perderam o olfato nem o paladar. Isso foi um fator 'uau'”, diz o Dr. Vinetz.

Isso é importante porque a perda do olfato, conhecida como anosmia, e a perda do paladar são sintomas comuns do COVID-19. Para muitos, os sentidos retornam à medida que a infecção desaparece. Mas para outros, o efeito perdura em graus variados. (Com a variante Omicron, esses sintomas ainda podem ocorrer, mas não com tanta frequência quanto com outras variantes.)

Como a descoberta 'surpresa' sobre a perda de paladar e olfato foi descoberta

Dr. Vinetz diz que foi originalmente motivado a investigar o mesilato de camostat depois de ver um estudo de abril de 2020 publicado na Cell que mostrou como esse medicamento poderia impedir que o SARS-CoV-2 entrasse nas células.

Dr. Vinetz recrutou vários colegas para colaborar, incluindo Anne Spichler Moffarah, MD, PhD, especialista em doenças infecciosas, e Gary Desir, MD, presidente do Departamento de Medicina Interna. Geoffrey Chupp, MD, diretor do Yale Center for Asthma and Airways Disease, executou o ensaio clínico.

O estudo randomizado de Fase II recrutou 70 participantes que testaram positivo para COVID-19 dentro de três dias após o início do estudo. Os participantes tomaram o medicamento quatro vezes ao dia durante sete dias.

Embora o estudo tenha sido interrompido quando ficou claro que o objetivo principal de reduzir a carga viral não estava ocorrendo, os pesquisadores acham que as descobertas surpreendentes sobre a perda de olfato e paladar justificam um estudo adicional.

“Minha filha teve COVID há um ano e ainda tem problemas para cheirar e provar as coisas”, diz o Dr. Desir. “Esta droga parece ser capaz de modular essa perda de olfato e paladar. Tem muito poucos efeitos colaterais e tem sido estudado extensivamente. Este pode ser o tipo de tratamento que é dado a alguém com COVID no início da infecção.”

Se o medicamento for aprovado para esse fim, os médicos acreditam que poderia ser um divisor de águas. “Não seria um medicamento caro. Nossa ideia era que todo mundo tomaria se fosse diagnosticado porque é difícil prever quem perderá o olfato ou paladar, e é melhor prevenir do que esperar que isso aconteça ”, diz o Dr. Desir.

Benefícios adicionais encontrados para pessoas com COVID-19

Houve também outros benefícios para este medicamento, pois o estudo mostrou que aqueles que o receberam relataram melhorias notáveis ​​relacionadas à fadiga, em comparação com aqueles que receberam placebo.

“As pessoas que tomaram mesilato de camostat no estudo começaram a se sentir menos cansadas e melhores no geral após o quarto dia, o que foi estatisticamente diferente do grupo placebo”, diz o Dr. Vinetz. “E não houve essencialmente efeitos adversos no grupo do mesilato de camostat.”

Não se sabe se o mesilato de camostat pode ajudar a restaurar o paladar ou o olfato em alguém que o perdeu, acrescenta. “Mais estudos nos ajudariam com isso”, diz Dr. Chupp.

Para que o mesilato de camostat se torne disponível para uso na prevenção da perda de paladar ou olfato relacionada ao COVID-19, seria necessário um ensaio clínico de Fase III e um pedido apresentado à Food and Drug Administration (FDA) para uso emergencial autorização. Tudo isso levaria algum tempo, explica o Dr. Chupp.

Ainda assim, os médicos esperam que sua descoberta surpresa possa ter um impacto positivo na luta contra o COVID-19. “Uma droga como o mesilato de camostat apresenta uma oportunidade”, diz Dr. Chupp.
Próxima postagem Postagem anterior
SEM COMENTÁRIOS
Adicionar Comentário
comment url
Carregando...