Seleção fez 3x nos rivais norte-americanos na semifinal de vôlei e joga pelo 10º título da Liga neste sábado, às 23h

vôlei
Seleção masculina de vôlei em ação na Liga MundialFoto: Divulgação/FIBV

A seleção brasileira masculina de vôlei terá, às 23h05 deste sábado (8), mais uma chance de conquistar o sonhado decacampeonato da Liga Mundial. Hegemônico na primeira década dos anos 2000, o País não sobe ao lugar mais alto do pódio no torneio desde 2010.

A equipe de Renan Dal Zotto conquistou a vaga na decisão desta temporada ao bater os Estados Unidos na semifinal, nesta sexta-feira (7), por 3 sets a 1 (parciais de 25/20, 23/25, 25/20 e 25/19). O adversário da final sera a França, que derrotou o Canadá por 3 sets a 1 também nesta sexta.

Leia mais: Brasil disputa vaga na final da Liga Mundial com os EUA

Protagonistas de um verdadeiro clássico do vôlei mundial, Brasil e Estados Unidos fizeram um duelo de alto nível, entre duas equipes que estão em processo de renovação.

Cientes do valor do confronto, os times deixaram claro, desde o primeiro set, que dariam o seu melhor na busca pela classificação. Não teve bola perdida. Melhor nas viradas de bola, a seleção brasileira conseguiu deslanchar na reta final do primeiro set para fechar a parcial em 25/20.

No começo do set seguinte, contudo, quem emendou pontos foi os Estados Unidos, abrindo 13×9 e obrigando Renan a pedir tempo para ajustar o time. A parada acordou os brasileiros, que, nas bolas de segurança de Wallace e Maurício Souza, empataram a parcial. No saque de Sander, contudo, os adversários voltaram a abrir vantagem. Dessa vez, mesmo chegando próximo de empatar novamente, o Brasil não evitou a vitória norte-americana por 25/23.

No terceiro set foi a vez de o Brasil abrir vantagem. Sem deixar os rivais respirarem, a seleção cresceu na relação saque e bloqueio e também no aproveitamento dos contra-ataques, abrindo 9×3. Os Estados Unidos buscaram a reação, mas o set entrou na conta verde-amarela (25/20).

A quarta parcial foi equilibrada até a altura do 13º ponto, quando os brasileiros conseguiram abrir dois pontos e souberam administrar e até aumentar a margem de segurança até o final, fechando a parcial em 25/19 e o jogo em 3×1.