Ricardo Japinha é afastado da CPM 22 após acusação de assédio na internet

O músico Ricardo Japinha foi oficialmente desligado da banda CPM 22. O grupo divulgou uma nota nesta quarta-feira (10), afirmando que o afastamento foi consequência de uma recente acusação de assédio feita contra o instrumentista. “Após os últimos acontecimentos, decidimos pelo afastamento do nosso baterista, Ricardo Japinha, reafirmando a nossa posição de não compactuar com atitudes desrespeitosas com quem quer que seja. A banda continua”, diz o comunicado.

Foto: @willer.carvalho/Divulgação

As acusações começaram a ser feitas na semana passada, em um perfil de Twitter batizado como “Exposed Emo”, que passou a compartilhar relatos de garotas que teriam sofrido assédio de integrantes de bandas ligadas ao movimento emo nas décadas de 1990 e 2000. Uma das publicações trouxe uma sequência de prints de um diálogo de Ricardo Di Roberto (nome de batismo) com uma adolescente de 16 anos de idade, em 2012. Na época, o baterista tinha 36 anos de idade.

Na conversa, ele dá a entender em vários momentos que gostaria de se encontrar sozinho com a fã, que respondia dizendo que queria conhecer a banda. Na última segunda-feira (10), Ricardo se posicionou sobre em um comunicado divulgado no Instagram. “Considerando as últimas informações que circulam na internet a meu respeito, senti necessidade de me manifestar: quem me conhece, de verdade, sabe da minha índole e do meu caráter, e que jamais agiria com o intuito de machucar alguém, seja física ou psicologicamente. Abomino qualquer forma de desrespeito ou abuso contra quem quer que seja”.

“Humildemente, coloco-me à disposição para quaisquer esclarecimentos em face de qualquer pessoa que tenha se sentido mal ou prejudicada, por algum mal entendido. Por fim, informo que, todas as medidas legais cabíveis já foram tomadas, para evitar a propagação de informações que não condizem com a verdade”, conclui a nota do músico.

Em entrevista ao G1, ele confirmou a conversa, mas disse que as mensagens eram “brincadeiras” e ainda que “não tinha intenção de seduzir”. “Essa específica realmente incomoda, incomoda até a mim. Eu fiz uma brincadeira naquele momento com a menina. Falei que eu tinha oitenta anos. Ninguém em sã consciência conseguiria acreditar. A menina fala que não adianta mentir, sabia que eu tinha 38. Aí eu dei risada”.

Ricardo Di Roberto foi baterista da banda CPM 22 desde 1999, também trabalhando como vocalista e guitarrista na banda Dinossaurus, além de ser um membro-fundador do Hateen.

Confira as publicações:

Recomendado para você

Author: Redação BR Acontece

Criador de conteúdo, amante da internet, TV, plataformas blogger e WordPress. Vivo conectado em um mundo chamado notícias online, sempre atualizando o site BR Acontece.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *