Nova série de Sophie Turner aborda suicídio e é taxada de irresponsável

Entretenimento

A nova “13 Reasons Why”? Psiquiatra avalia a série “Survive”, que reacendeu o debate sobre a representação do suicídio na TV e no cinema

Há pouco mais de 3 anos a série “13 Reasons Why” chegava à Netflix recheada de conflitos juvenis e uma intensa cena de suicídio, que virou tema de um intenso debate na época. Com isso, a série acabou levantando questões que antes eram banalizadas.

Sophie Turner em cena na série Survive (Reprodução/Reprodução)

Alguns erros cometidos em 13 Reasons Why estão sendo repetidos em “Survive” da plataforma Quibi – um serviço de streaming lançada no início do mês. Focado em vídeos curtos, com séries de 10 minutos por episódio, o Quibi só pode ser acessado por dispositivos móveis.

Baseado no livro “Survive”, de Alex Morel, a série narra a história da jovem Jane Salas, interpretada por Sophie Turner – a Sansa de “Game of Thrones”. Jane sofre de estresse pós-traumático e impulsos suicidas. A série mostra em detalhes as falas da personagem sobre o assunto, além de ter flashs do momento em que ela tenta suicídio.

Apesar do aviso “cenas que algumas pessoas podem achar perturbantes, incluindo problemas mentais e pensamentos suicidas”, a série está sendo chamada de irresponsável.

Na trama, Jane e Paul (Corey Hawkins) são os únicos passageiros que sobreviveram a queda de um avião num local extremamente remoto. Com isso, eles precisam se unir para sobreviver. Em meio ao drama do acidente, imagens do passado de Jane são mostradas ao público.

Condenada por críticos de cinema

Na plataforma Rotten Tomatoes, que reúne a opinião de críticos de cinema e do publico em geral, a série divide opiniões e tem aprovação de 47% por parte da crítica.

Mas não parou no Rotten. Emily Todd VanDerWerff escreveu ao site Vox que “é uma das séries mais irresponsáveis que já vi”. Brian Lowry, da CNN, escreveu: “De longe, é a pior série do catálogo do Quibi”, e ainda criticou a plataforma em si.

As críticas se deram principalmente pela forma que a série mostra os detalhes de algo delicado, como cortes na pele de Jane, por exemplo. Kathryn VanArendonk do Volture, também escreveu a respeito. “Honestamente, não sei o que é mais frustrante: a irresponsável ideação suicida ou as pedantes cenas de flashback”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *