Mark Zuckerberg, o CEO do Facebook, quer integrar os serviços de chat do Facebook Messenger, Instagram e WhatsApp. Isso relata ‘The New York Times’ com base em quatro fontes que estão envolvidas no plano. Os três serviços ainda permaneceriam como aplicativos independentes, mas a estrutura subjacente dos aplicativos seria unificada.
integrar

Segundo o ‘The New York Times’, o Facebook está apenas em uma fase inicial do projeto e a intenção é que seja em torno do final deste ano ou início de 2020 com a integração. Antes da reforma, milhares de funcionários do Facebook precisam reprogramar o WhatsApp, o Instagram e o Messenger do zero. A criptografia de ponta a ponta (criptografia de ponta a ponta), com a qual as mensagens no WhatsApp já estão protegidas, também será lançada nos outros dois aplicativos.

Criptografia de ponta a ponta
A integração dos serviços de chat deve permitir a interação entre os três. Por exemplo, um usuário do Facebook pode enviar uma mensagem do site da rede social para alguém que tenha apenas o WhatsApp. No momento, isso não é possível porque envolve dois aplicativos diferentes e o WhatsApp usa criptografia de ponta a ponta, ao contrário do Facebook.

O objetivo final de Zuckerberg é manter as pessoas ativas dentro do ecossistema do Facebook e ficar mais fortes contra a concorrência dos serviços de mensagens, por exemplo, da Apple e do Google. Além disso, a integração também beneficiaria os anunciantes.

Os fundadores saem
De acordo com o “The New York Times”, Zuckerberg vinha usando balões há meses na integração dos serviços de bate-papo e finalmente aprovou a ideia no final do ano passado. A reforma iminente levou à saída repentina dos fundadores do Instagram Kevin Systrom e Mike Krieger, segundo o jornal.

Mais cedo, os fundadores do WhatsApp Jan Koum e Brian Acton fecharam suas portas por causa de brigas com o Facebook. Zuckerberg, no entanto, prometeu deixar os serviços funcionarem de forma independente quando os dois aplicativos fossem adquiridos.

Segundo o ‘The New York Times’, o Facebook está apenas em uma fase inicial do projeto e a intenção é que seja em torno do final deste ano ou início de 2020 com a integração. Antes da reforma, milhares de funcionários do Facebook precisam reprogramar o WhatsApp, o Instagram e o Messenger do zero. A criptografia de ponta a ponta (criptografia de ponta a ponta), com a qual as mensagens no WhatsApp já estão protegidas, também será lançada nos outros dois aplicativos.

Criptografia de ponta a ponta
A integração dos serviços de chat deve permitir a interação entre os três. Por exemplo, um usuário do Facebook pode enviar uma mensagem do site da rede social para alguém que tenha apenas o WhatsApp. No momento, isso não é possível porque envolve dois aplicativos diferentes e o WhatsApp usa criptografia de ponta a ponta, ao contrário do Facebook.

O objetivo final de Zuckerberg é manter as pessoas ativas dentro do ecossistema do Facebook e ficar mais fortes contra a concorrência dos serviços de mensagens, por exemplo, da Apple e do Google. Além disso, a integração também beneficiaria os anunciantes.

Os fundadores saem
De acordo com o “The New York Times”, Zuckerberg vinha usando balões há meses na integração dos serviços de bate-papo e finalmente aprovou a ideia no final do ano passado. A reforma iminente levou à saída repentina dos fundadores do Instagram Kevin Systrom e Mike Krieger, segundo o jornal.

Mais cedo, os fundadores do WhatsApp Jan Koum e Brian Acton fecharam suas portas por causa de brigas com o Facebook. Zuckerberg, no entanto, prometeu deixar os serviços funcionarem de forma independente quando os dois aplicativos fossem adquiridos.