Milícia RJ News: Cartas em nome de miliciano é encontrada pela polícia

 William dos Santos Araújo, que segundo a polícia também é conhecido como William Negão ou 21, recebeu correspondências supostamente escritas por Ricardo Teixeira Cruz, o Batman, um dos fundadores da milícia chamada de 'Liga da Justiça'.

Suspeito de chefiar milícia em Seropédica é preso por policiais da Draco — Foto: Divulgação

Policiais civis da Delegacia de Repressão a Ações Criminosas Organizadas (Draco) prenderam na manhã desta terça-feira (5) um ex-policial militar suspeito de ser um dos chefes da quadrilha de milicianos que age em Seropédica, na Baixada Fluminense.

Com o homem os agentes também apreenderam pelo menos duas cartas remetidas da Penitenciária Federal de Mossoró, no Rio Grande do Norte. As correspondências tinham o nome de Ricardo Teixeira Cruz, o miliciano Batman, condenado por chefiar a milícia "Liga da Justiça", que ajudou a fundar.

Em nota, o advogado de defesa de Ricardo Teixeira, Zoser Hardman, informou que ele está numa penitenciária federal há 13 anos e, por isso, "não tem nenhum tipo de contato ou relação com os personagens que atualmente integram as milícias" (veja a íntegra no fim do texto).

Preso nesta segunda, William dos Santos Araújo, de 43 anos - que segundo informações da unidade especializada também é conhecido como William Negão ou 21 - foi detido durante uma ação dos agentes da Draco no bairro Boa Esperança, em Seropédica.

Coordenados pelo delegado titular da Delegacia de Repressão a Ações Criminosas Organizadas (Draco), Thiago Neves, os policiais foram ao bairro checar se um endereço estava sendo usado como esconderijo pelo miliciano e foragido da Justiça Danilo Dias Lima, o Tandera, principal nome da organização criminosa.

A Seção de Inteligência e Operações da Draco apurou que o imóvel na Rua 22 era usado não só por Danilo, mas também por comparsas como um local para estocar armas da milícia. Após identificar o lugar exato, os agentes cercaram o apartamento. Foi quando um homem apareceu na janela.

Os policiais descobriram que a pessoa era William. Acompanhado da esposa, ele foi ao portão atender os policiais. O ex-PM, que já foi preso pela Draco em 2018 acusado de integrar a mesma quadrilha foi solto em julho de 2020. Desde então, segundo a polícia, ele chefia a milícia em Seropédica.

Os agentes revistaram a casa e encontraram, além das cartas, uma pistola calibre 9 milímetros com munições, uma farda camuflada e telefones celulares.

Cartas do Batman

Mas o que os agentes classificaram como "inesperado" foi encontrar cartas supostamente escritas pelo miliciano Ricardo Teixeira Cruz, o Batman, um dos fundadores da quadrilha batizada de "Liga da Justiça". Atualmente, ele está preso em uma penitenciária federal.

O conteúdo das cartas ainda será analisado pelos policiais, mas em um trecho a que o g1 teve acesso o autor que diz ser Ricardo Teixeira afirma ter sido chefe de milícia.

No verso da correspondência consta o endereço da Penitenciária Federal de Mossoró, no Rio Grande do Norte. O CEP que consta na carta também bate com o do presídio.

O que diz a defesa de Ricardo Teixeira
O advogado Zoser Hardman, que representa Ricardo Teixeira, enviou o seguinte posicionamento:

"Ricardo está preso em penitenciária federal desde maio de 2009, ou seja há mais de 13 anos, e não tem nenhum tipo de contato ou relação com os personagens que atualmente integram as milícias que atuam no estado.

Causa estranheza a informação de uma carta supostamente enviada por Ricardo, pois em todo esse período, Ricardo apenas envia cartas a seus familiares.

É importante registrar que todas as cartas que são enviadas por internos que estejam acautelados em penitenciária federal, são auditadas pela unidade antes do envio, ficando, inclusive, uma cópia no local. Vamos solicitar um exame grafotécnico para comprovar que a carta apreendida não foi enviada pro Ricardo."

Fonte: G1
Próxima postagem Postagem anterior
SEM COMENTÁRIOS
Adicionar Comentário
comment url
Carregando...