Demanda por iPhone aumenta lucros da Apple

 A Apple evitou a escassez de oferta que reduziu a produção de iPhones e outros dispositivos populares para entregar sua temporada de férias mais lucrativa até agora.

Os resultados publicados na quinta-feira para os três meses finais de 2021 ajudam a ilustrar por que a Apple parece ainda mais forte no final da pandemia do que quando a crise começou há dois anos.

Àquela altura, as vendas do iPhone da Apple estavam caindo à medida que os consumidores começaram a se apegar a seus aparelhos mais antigos por períodos mais longos. Mas agora a empresa de Cupertino, Califórnia, não consegue acompanhar a crescente demanda por um dispositivo que se tornou ainda mais crucial na era florescente do trabalho remoto.

A incapacidade da Apple de satisfazer totalmente o apetite voraz por iPhones decorre de uma escassez de chips causada pela pandemia que está afetando a produção de tudo, desde automóveis a dispositivos médicos.

Mas a Apple até agora superou os déficits melhor do que a maioria das empresas. Esse gerenciamento hábil permitiu que a Apple divulgasse vendas de iPhone de US$ 71,6 bilhões no período de outubro a dezembro, um aumento de 9% em relação ao mesmo período do ano anterior.

Esses ganhos de vendas provavelmente teriam sido ainda mais robustos se a Apple pudesse ter garantido todos os chips e outros componentes necessários para fazer iPhones. Esse problema afetou o trimestre de julho a setembro da Apple, quando a administração estimou que a escassez de suprimentos reduziu suas vendas de iPhone em cerca de US$ 6 bilhões. A empresa pode abordar como a escassez de oferta afetou seu desempenho no trimestre mais recente durante uma teleconferência com analistas agendada para quinta-feira.

Apesar do arrasto causado pela escassez, a Apple ainda ganhou US$ 34,63 bilhões, ou US$ 2,10 por ação, um aumento de 20% em relação ao mesmo período do ano anterior. A receita subiu 11% em relação ao ano anterior, para US$ 123,95 bilhões.

O sucesso contínuo da Apple ajudou a elevar o valor de mercado da empresa acima de US$ 3 trilhões pela primeira vez no início deste mês. Mas o preço de suas ações caiu 13% desde que atingiu esse pico em meio a preocupações com um aumento projetado nas taxas de juros com o objetivo de amortecer o ritmo tórrido da inflação, alimentado em parte pela escassez de oferta.


Alex Santos

Criador do site BR Acontece atualizado nos principais assuntos em política, economia, tecnologia e variedades.

Postagem Anterior Próxima Postagem