Monge budista abandona templo e segue carreira de modelo na Tailândia - BR Acontece

Monge budista abandona templo e segue carreira de modelo na Tailândia

BR Acontece
Criador do site BR Acontece, amante da internet, tv, plataformas blogger e WordPress. Vivo conectado em um mundo chamado notícias online, sempre atualizando o site BR.

Ela é uma das modelos mais famosas da Tailândia, mas há dez anos estudava para se tornar monge budista. E tinha traços masculinos.

Mimi Tao Instagram

Mimi Tao Instagram

Apesar da juventude, Mimi Tao, de 22 anos, já percorreu um caminho de grandes transformações na vida.

Quando nasceu, homem, recebeu o nome de Phajaranat Nobantao.

“Meus pais enfrentaram muitas dificuldades econômicas e me enviaram a um templo budista. Ali passei por período de treinamento, em que os mestres queriam saber se tínhamos paciência suficiente, vontade de aprender e desejo de seguir os ensinamentos de Buda”, disse a modelo ao programa Outlook da BBC.

Mimi foi ordenado monge aos 12 anos e viveu por seis anos no tempo com outros 200 jovens. Foi nesse período que começou a explorar sua verdadeira identidade.

“O tempo era um lugar com muita paz. Tinha muito tempo para contemplação se vivesse de forma autêntica.”

Mudança gradual

Segundo Mimi, o desejo de ser mulher se tornou cada vez mais forte. “Chegou uma hora em que não podia mais esconder meus sentimentos. Pensava que se fosse realmente um homem por dentro eu deveria estar em paz com isso.”

“Tinha sentimentos femininos, mas não quis dizer nada porque sabia que a sociedade tailandesa não aceitava abertamente o terceiro sexo, sobretudo no caso de um monge.”

Trancada no quarto e de forma escondida, a jovem começou a se maquiar, e passou a tomar anticoncepcionais.

“As pílulas me faziam sentir feminina. Minha pele ficou mais suave e os seios começaram a crescer. Comecei a disfarçar as mudanças, mas uma vez minha mãe veio me visitar, percebeu e ficou furiosa.”

“Apenas disse a ela: ‘Mãe, sou eu, você tem que me aceitar como sou. Sou uma pessoa boa e um dia você terá orgulho de mim.'”

Começo da carreira

Mimi passou mais um ano no templo para terminar sua educação, mas decidiu procurar emprego quando sua família passou a enfrentar dificuldades financeiras ainda maiores.

Após trabalhar em um espetáculo de cabaré por um tempo, ela decidiu se tornar modelo. “É um trabalho bem visto na sociedade tailandesa e eu esperava ser aceita.”

Depois de meses de tentativas frustradas, Mimi conseguiu se aconselhar com uma modelo profissional em seu país.

“Ela me disse que deveria trabalhar o dobro do que outras jovens porque no começo não me aceitariam como mulher.”

Mimi Tao Instagram Image caption Mimi Tao: "Se sua mente está em paz e é uma pessoa boa, já é um monge."

Mimi Tao Instagram
Image caption
Mimi Tao: “Se sua mente está em paz e é uma pessoa boa, já é um monge.”

Ela enviou fotos a agências em Milão, Paris, Londres e Nova York. Algumas se interessaram em conhecê-la, mas Mimi não tinha dinheiro para as passagens.

“Falei a mim mesma: preciso ir a algum lugar em que possa crescer. Sou uma boa semente, e uma boa semente não crescerá se for plantada em pedra. Precisa de terra boa.”

Mimi se mudou para Cingapura, onde fez várias campanhas publicitárias para marcas de roupa íntima, e logo voltou para a Tailândia, onde hoje é uma das modelos mais conhecidas.

Mimi Tao compartilhou a história de sua transformação em imagens no Instagram.

Discriminação

A popularidade, contudo, nem sempre impede o rechaço de setores da sociedade.

“Quero pensar que ajudei a mudar a forma como os transexuais são vistos no meu país. Mas ainda há ocasiões em que sinto discriminação em minha comunidade”, diz Mimi, citando a vez em que foi expulsa de uma entrega de prêmios.  “Se isso ocorre apesar da minha fama, nem imagino as situações difíceis que outros devem enfrentar.” A modelo, contudo, conseguiu a aprovação de uma das pessoas mais importantes em sua vida. “Minha mãe disse estar orgulhosa de mim. Quando saímos juntas, ela me apresenta dizendo ‘esta é minha filha, é modelo e famosa’.” “Ser aceita pela minha família me dá muita força. Se somos aceitas por nossas famílias, a sociedade, o país e o mundo nos aceitarão.”

A jovem diz esperar que um dia, após conseguir pagar as dívidas de sua família, tenha uma vida “mais simples” em um sítio.

Por ora ela continua a carreira de modelo e diz levar consigo muitos ensinamentos do templo, como a importância de lembrar que sempre recebemos o que damos.

Ela descarta, contudo, retomar a vida monástica. “Não acho que isso seja preciso para seguir os passos de Buda. Se sua mente está em paz e é uma pessoa boa, já é um monge.”

Fonte:BBC Brasil

Deixe um comentário