Imagens mostram funcionários dos Correios roubando encomendas no agreste de Sergipe - BR Acontece

Imagens mostram funcionários dos Correios roubando encomendas no agreste de Sergipe

BR ACONTECE
Amante da internet, tv, plataformas blogger e WordPress. Vivo conectado em um mundo chamado notícias online, sempre atualizando o site BR. Email:


Em uma cidadezinha do interior de Sergipe, as encomendas começaram a desaparecer. A explicação oficial dos Correios era extravio. Até que o mistério foi desvendado. Dois funcionários estavam roubando os produtos, na maior cara de pau.

A tranquilidade da pequena Carira, no agreste de Sergipe foi quebrada.

“Foi um choque para todo mundo porque muita gente acabava comprando coisa na internet e não sabia que não chegava por motivo de extravio”, diz Fabiano Barbosa, técnico em informática.

Há pouco mais de seis meses, as encomendas de uma agência dos Correios começaram a desaparecer. Choveram reclamações. Foi o volume de desvios que chamou a atenção. A agência de Carira representa menos de 1% do total de encomendas registradas no estado de Sergipe, mas nos três primeiros meses deste ano concentrou 66% do valor pago em indenizações por causa de extravios.

A resposta veio das próprias câmeras de segurança. Dois funcionários que trabalham no setor de registros e entregas vasculham as encomendas até encontrar algo de valor. Eles tentam esconder o produto sem chamar atenção. Um deles chuta o pacote para debaixo de um saco. Depois, esconde a encomenda em uma sala ao lado de onde trabalham. A mercadoria acaba saindo da agência entre outras encomendas que serão entregues.

De olho nos celulares e equipamentos eletrônicos, os suspeitos nem se importavam com as câmeras, ou com a presença dos colegas.

De acordo com a Polícia Federal, eles agiam desta maneira por meses, até serem presos.

“Essa encomenda era colocada na bolsa do carteiro. Essa encomenda que já havia sido registrada como sumida ou extraviada. E saindo das dependências dos Correios davam destino a essas mercadorias”, contou Roberto Nunes Teixeira, delegado da PF.

G1

Deixe um comentário