Estudante processa Valesca Popozuda por quebra de contrato para filme erótico - BR Acontece

Estudante processa Valesca Popozuda por quebra de contrato para filme erótico

BR Acontece
Criador do site BR Acontece, amante da internet, tv, plataformas blogger e WordPress. Vivo conectado em um mundo chamado notícias online, sempre atualizando o site BR.

 

do-projeto-1445627922888_615x300

Por essa você não esperava: a funkeira Valesca Popozuda está sendo processada por um aluno da faculdade de Cinema da Universidade Federal Fluminense, Hiran Matheus Silva — o jovem de 22 anos cobra da artista e seu empresário Leandro Gomes de Castro, o Pardal, uma indenização por danos materiais e morais no valor de 31 000 reais.

O motivo não poderia ser mais curioso. Valesca se comprometeu a ajudar os jovens em 2013, muito antes do sucesso Beijinho no Ombro. Ela daria uma força para os estudantes arrecadarem dinheiro e seria atriz do filme erótico A Experiência Oral de Madame Bovary. Assista o vídeo da campanha:

No documento, com mais de 100 páginas, o aspirante a cineasta acusa a cantora e seu agente de não cumprirem contrato de permuta assinado em 13 de janeiro de 2013 — no qual a funkeira se compromete a “prestar seus serviços como atriz” e Pardal a financiar 50% do custo do filme. Em troca, Hiran e seus colegas produziriam gratuitamente um videoclipe para a cantora.

Valesca teria abandonado o projeto após a fama pois, no filme, a funkeira precisaria simular cenas de sexo oral e interpretar um orgasmo.

Por meio de nota, o empresário da cantora falou a VEJA SÃO PAULO.

” É uma pena ver que pessoas procurem a fama a qualquer custo. Eu, como empresário da Valesca há quinze anos, recebo diariamente dezenas de propostas e pedidos que algumas vezes não tem condições de serem levados à frente, por inúmeras questões. Prezo pelo padrão de qualidade impecável em todos os projetos que somos convidados, sejam eles vindo de grandes empresas, de amigos artistas ou de universitários. Tratamos a todos com o mesmo carinho e devoção, mas sinceramente não posso e nunca irei expor a carreira e vida da artista que trabalho com ações descabidas. Portanto, deixo a cargo do meu departamento jurídico resolver as questões impostas por esse cidadão.”

Deixe um comentário