Cantora gospel Ana Paula Valadão pede boicote a "ouse, misture" C&A - BR Acontece

Cantora gospel Ana Paula Valadão pede boicote a “ouse, misture” C&A

BR Acontece
Criador do site BR Acontece, amante da internet, tv, plataformas blogger e WordPress. Vivo conectado em um mundo chamado notícias online, sempre atualizando o site BR.

Maior vendedora de discos evangélicos, cantora condena campanha da rede onde homens e mulheres nus vestem roupas trocadas. Para ela, campanha incentiva ideologia de gênero

20160520141911681811a

Postagem da cantora Ana Paula Valadão gera polêmica nas redes sociais (foto: Divulgação/Facebook)

Ana Paula Valadão, uma das cantoras e pregadoras gospel mais populares do Brasil, está fazendo uma campanha de boicote nas redes sociais a loja de departamentos C&A, cujo mote é “ouse, misture”. No Facebook, a cantora, que já vendeu mais de dez milhões de cópias de discos, disse ter decidido manifestar sua “santa indignação” contra a propaganda da loja que, segundo ela, tenta impor a ideologia de gênero. “Fiquei chocada”, afirmou. Em três horas, a postagem já tem quase 22 mil compartilhamentos, 108 mil curtidas e 47 mil comentários. Nas redes sociais, movimentos feministas e gays estão convocando protestos na página da cantora.

Segundo ela, a propaganda retrata “casais de namorados saindo e quando eles se beijam a roupa do homem passa pra mulher e a da mulher pro homem”. “Os homens saem de salto e tudo. E aí fala. Ouse, misture. Em outra propaganda da mesma campanha eles fizeram todos nus como se fossemos criados iguais e temos o poder de escolha. Então chegam em um campo cheio de roupas e as mulheres começam a vestir as roupas dos homens e os homens as das mulheres. Que absurdo! Nós que conhecemos a verdade imutável da palavra de Deus não podemos ficar calados”.

A cantora afirma ainda que nos Estados Unidos, no mês passado, a loja de departamentos Target sofreu um boicote em todo o país depois que anunciou que empregados e clientes poderiam escolher os banheiros de acordo com a preferência sexual. Depois disso, um grupo ativista cristão conservador reuniu mais de meio milhão de assinaturas de pessoas que prometem boicotar o a loja por causa dessa decisão.

“A loja Target já teve prejuízo porque mais de 1 milhão de pessoas pararam de comprar (inclusive eu) desde que determinou que os banheiros feminino e masculino podem ser usados por quaisquer pessoas que se sintam homem ou mulher naquele dia, aumentando os riscos de abusos (que já aconteceram em outros lugares que apoiam a ideologia de gênero)”. Na postagem, as hashtag são #SouFemininaVistoComoMulher, #HomemVesteComoHomem e #FamíliaÉHomemEMulher.

A campanha, que está sendo veiculada no Youtube na televisão, mostra homens e mulheres nus correndo em busca de roupas, penduradas em uma especie de varal. Quando se aqproximam delas, cada um escolhe uma peça. Em um determinado momento, alguns homens vestem roupas femininas e vice-versa.

Essa não é a primeira vez que a cantora se envolve em polêmica. Em 2013, ela publicou um vídeo na internet defendendo que mulheres e pastores jejuassem para emagrecer, pois liderança não combinava com excesso de peso ou “pastores gordos” e irmãs cheinhas”. A declaração foi considerada “gordofóbica” e gerou uma onda de protestos nas redes sociais forçando a pastora a pedir desculpas em sua página na internet.
A reportagem não conseguiu contato com a loja de departamentos para saber sua posição. Ana Paula Valadão não respondeu ao pedido de informações enviado por email para sua assessoria.

Lamentável

O presidente da Associação Brasileira de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais (ABLGT), Carlos Magno, lamentou o comentário da cantora e pastora gospel. Segundo ele, não se trata apenas de preconceito contra a população gay, mas também uma tentativa de tutelar o comportamento das pessoas. A campanha, segundo ele, apresenta uma coleção de roupas unissex. “Não se trata só de preconceito contra a ideologia de gênero. É também uma tentativa de controlar o comportamento das pessoas. É lamentável que essa parcela da sociedade continue criando discurso de ódio e cerceando a liberdade das pessoas. Todo mundo tem direito de se vestir como quiser, de ter sua identidade de gênero, sua representação social e de se relacionar com quem quiser”.

Outro Lado

Por meio de uma nota a C&A disse que a campanha criticada por Ana Paula Valadão, batizada de “Dia dos Misturados” , tem como tema principal a celebração do amor e é uma continuidade da nova visão da rede sobre a moda. “Livre de todo e qualquer tipo de preconceito e estereótipo, o novo filme, que celebra o Dia dos Namorados, faz um novo convite à mistura de atitudes, cores e estampas como forma de expressão. A C&A reforça que o respeito à diversidade, inclusive de opiniões, sempre foi um dos princípios da marca”, diz a nota.

Fonte: EM

 

 

Deixe um comentário