Adolescente paquistanesa é queimada viva por ajudar amiga a fugir com namorado - BR Acontece

Adolescente paquistanesa é queimada viva por ajudar amiga a fugir com namorado

BR Acontece
Criador do site BR Acontece, amante da internet, tv, plataformas blogger e WordPress. Vivo conectado em um mundo chamado notícias online, sempre atualizando o site BR.

A adolescente morreu estrangulada e posteriormente queimada no interior de um carro na sexta-feira, após ser sentenciada por uma jirga ou conselho de idosos na cidade de Makool, no noroeste paquistanês, por ajudar sua amiga, disse o porta-voz policial da área, Nasir Khan

gd

Uma jovem de 16 anos foi drogada, estrangulada e queimada por um grupo de homens por ter ajudado uma amiga a fugir com seu namorado no Paquistão, um assassinato que nesta região é conhecido como um “crime de honra”, pelo qual foram detidas 13 pessoas, informou nesta quinta-feira à Agência Efe uma fonte policial.

A adolescente morreu estrangulada e posteriormente queimada no interior de um carro na sexta-feira, após ser sentenciada por uma jirga ou conselho de idosos na cidade de Makool, no noroeste paquistanês, por ajudar sua amiga, disse o porta-voz policial da área, Nasir Khan.

“Detivemos 13 pessoas, entre elas vários membros do conselho da cidade e a mãe da vítima, que apoiou a decisão da jirga”, indicou Khan.

Muitos dos chamados “crimes de honra” são delitos machistas muito frequentes no Sul da Ásia.

Os suspeitos pela morte da jovem serão julgados por um tribunal antiterrorista, enquanto a polícia procura mais pessoas envolvidas no assassinato.

A amiga da vítima deixou sua cidade há duas semanas para fugir com seu namorado sem a permissão de sua família e neste momento seu paradeiro é desconhecido.

A comprometida cineasta Sharmeen Obaid Chinoy ganhou neste ano seu segundo Oscar pelo documentário em curta-metragem “A Girl in the River: The Price of Forgiveness”, que conta a história de uma sobrevivente de um desses “crimes de honra”.

Em 2015, 923 mulheres foram vítimas desse tipo de criminalidade no país, segundo um relatório da Comissão de Direitos Humanos do Paquistão (HRCP), que adverte que esse número esconde uma realidade ainda maior que fica fora dos registros.

 

Deixe um comentário