9 curiosidades que você não sabia sobre o sangue - BR Acontece

9 curiosidades que você não sabia sobre o sangue

BR ACONTECE
Amante da internet, tv, plataformas blogger e WordPress. Vivo conectado em um mundo chamado notícias online, sempre atualizando o site BR. Email:


1. Karl Landsteiner descobriu, em 1901 os diferentes tipos sanguineos, observando que o sangue de pessoas de diferentes tendem a se coagular quando misturados. Ele mais tarde os classificou como A, B e O.
2. ABO não é o único sistema de tipagem de sangue, no entanto, Atualmente existem 33 sistemas reconhecidos pela Sociedade Internacional de Transfusão de Sangue, com apelidos como luterano, Duffy, Hh / Bombay e Ok.
3. O tipo de sangue refere-se a moléculas diferentes sobre a superfície das células vermelhas do sangue. Uma incompatibilidade destas moléculas entre doador e receptor pode desencadear uma reação imunológica fatal após uma transfusão de sangue, pois o corpo do receptor ataca o sangue recebido, levando assim o paciente a morte.
4. Mas nem todos os tipos de sangue são importantes para todas as transfusões. Algumas variações são muito raros, ou existem apenas em certos grupos étnicos, por isso o perigo de contrair uma incompatibilidade é, para a maioria das pessoas, baixo.
5. O tipo de sangue Júnior foi formalmente classificado a apenas dois anos atrás, quando pesquisadores localizaram a molécula responsável por isso. A grande maioria das pessoas são júnior positivo, mas mais de 50.000 japoneses são negativos Junior. Para eles, é uma incompatibilidade que pode causar uma reação perigosa.
6. tipos de sangue não são exclusivos para os seres humanos. Os cães têm mais de uma dúzia, por exemplo.
7. Antes de serem descobertos os tipos de sangue, os médicos experimentaram transfusões de sangue entre seres humanos e animais, em geral foram escolhidos cavalos e cães, mas os resultados foram fatais e em quase todos os testes os animais vieram a falecer
8. Em dezembro de 1667, o médico Jean-Baptiste Denis por duas vezes realizou uma transfusão entre um homem e um bezerro, em uma tentativa de curá-lo da doença mental. Depois de tolerar o primeiro procedimento, o paciente respondeu a segunda transfusão, com vômitos, urina preta e reclamando de dor em seus rins. Posteriormente o paciente teve convulsões e uma parada respiratória.
9. Pesquisadores estão investigando maneiras de inserir versões de funcionamento do gene do fator de coagulação nas próprias células dos pacientes.Em 2011, seis pacientes de hemofilia B foram capazes de parar ou diminuir a frequência de suas injeções de costume, graças à terapia genética.

Deixe um comentário